Trabalhadora de financeira tem jornada de trabalho reduzida

(Foto: Reprodução Internet)

Através do departamento jurídico do SEAAC, uma trabalhadora da Credisul Soluções em Crédito conseguiu que esta fosse reconhecida como financeira, obrigando-a a reduzir a jornada de trabalho de seus funcionários para 6 horas diárias e 30 semanais. Desta forma, a ex-funcionária obteve o direito de receber as horas extras pelo tempo em que lá trabalhou. Além disso, a empresa foi condenada ao pagamento do vale-alimentação que não havia sido acertado entre as partes.

Atitudes como esta são comuns, quando as empresas se apresentam aos clientes e consumidores como algo, mas não repassam os direitos da categoria aos funcionários. Segundo a trabalhadora, inclusive, a empresa, além de aplicar jornada de trabalho superior ao permitido, teria demorado a fornecer a documentação necessária para o saque do FGTS e a habilitação do seguro-desemprego. Tais atitudes haveriam culminado em um desgaste financeiro e psicológico por parte da funcionária.

Desta forma, a 1ª Vara do Trabalho de Bauru, através do juiz Breno Ortiz Tavares Costa, julgou os pedidos formulados pela reclamante procedentes, condenando a empresa ao pagamento de horas extraordinárias e seus reflexos e do vale-alimentação durante todo o contrato de trabalho.

 

Texto: Mayara Castro/Jornalista na Netshare Marketing Criativo