Greve Geral paralisa Bauru e todo o país

Nesta sexta-feira (28/4), a Greve Geral paralisou todo o país. Às 4h da manhã, capitais e demais cidades inciaram as manifestações, boa parte delas pacíficas, como em Bauru, que reuniu cerca de 10 mil pessoas, segundo as centrais sindicais.
Os manifestantes se concentraram nas principais vias da cidade: Av. Rodrigues Alves, na praça Dom Pedro II, em frente a Câmara Municipal e Av. Nações Unidas.

Todos pelas mesmas reinvindicações

No local, o SEAAC estava lado a lado de sindicatos dos trabalhadores de diversos setores, servidores públicos, funcionários dos Correios, professores, movimentos estudantis e outros. Com cartazes escritos “Fora Temer”, os principais questionamentos foram sobre as recentes decisões impostas pelo presidente com a justificativa de redução de custos.
Greve Geral 28 de abril SEAAC

Foto: Bianca Brito/Netshare Marketing Criativo

Organizados, os representantes dos movimentos utilizavam do microfone para expor descontentamentos e pontos de vistas referentes ao governo atual e as propostas da reforma trabalhista.
O presidente do SEAAC, Lázaro Eugênio, havia chamado a atenção para os problemas decorrentes dessas propostas: “A Reforma da Previdência irá nos tirar o direito de aposentadoria, minimamente digna, mas temos outras batalhas para enfrentar, como a Reforma Trabalhista que poderá impor jornadas de trabalho exaustivas e reduzir o intervalo para alimentação para apenas 30 minutos. Pior do que isso é a legalização da terceirização irrestrita, aliada ao tal contrato de trabalho temporário que pode chegar a 270 dias, sem que ao final o trabalhador tenha direito à multa do FGTS ou ao aviso prévio de desligamento.” Leia o depoimento completo, publicado no Boletim SEAAC, ed. IV.

 Texto: Bianca Brito e Loyce Policastro/Netshare Marketing Criativo