SETEMBRO AMARELO: FATORES DE RISCO, PERFIL E PREVENÇÃO AO SUICÍDIO NO AMBIENTE DE TRABALHO!

A prevenção contra o suicídio vem ganhando cada vez mais atenção desde que a campanha de conscientização, conhecida como Setembro Amarelo, foi iniciada em 2014. De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatra (ABP), o Brasil registra anualmente uma média de 13 mil suicídios.

Com o avanço da pandemia, causada pelo novo coronavírus, há um expressivo aumento de transtornos mentais estimulados pelo isolamento social, por esse motivo, neste ano, a prevenção contra o suicídio deverá ser ainda mais intensificada.

Pelo fato desse tema ainda ser um tabu , o SEAAC coletou algumas informações importantes e que podem servir como direcionamento, confira!

 

SUICÍDIO: FATORES DE RISCO QUE INFLUENCIAM O SUICÍDIO

O suicídio é compreendido como um ato complexo e que pode ser influenciado por diferentes causas. No entanto, especialistas alertam que há dois pontos que se destacam como fatores de risco.

  • Tentativa prévia de suicídio:

É o fator preditivo isolado mais importante. Pacientes que tentaram suicídio previamente têm de cinco a seis vezes mais chances de tentar suicídio novamente. Estima-se que 50% daqueles que se suicidaram já haviam tentado previamente.

  • Doença mental:

Sabemos que quase todos os suicidas tinham uma doença mental, muitas vezes não diagnosticada, frequentemente não tratada ou não tratada de forma adequada. Os transtornos psiquiátricos mais comuns incluem depressão, transtorno bipolar, alcoolismo e abuso/dependência de outras drogas e transtornos de personalidade e esquizofrenia.

 

SUICÍDIO: PERFIL SOCIAL

Além dos pontos mencionados no tópico anterior, há também algumas características relacionadas aos aspectos sociais em relação aos acometidos pelo suicídio, são elas:

  • Gênero masculino;
  • Idade entre 15 e 30 anos e acima de 65 anos;
  • Sem filhos;
  • Moradores de áreas urbanas;
  • Desempregados ou aposentados;
  • Isolamento social;
  • Solteiros, separados ou viúvos;
  • Populações especiais: indígenas, adolescentes e moradores de rua.

 

SUICÍDIO: CONDIÇÃO DE SAÚDE LIMITANTE

Existem também algumas patologias predominantes entre as pessoas que cometem suicídio, são elas: doenças orgânicas incapacitantes; dor crônica; doenças neurológicas (epilepsia, Parkinson, Hungtinton); trauma medular; tumores malignos e AIDS.

 

SUICÍDIO: PREVENÇÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO

O ambiente de trabalho pode se apresentar como um lugar tóxico ao estimular jornadas exaustivas, metas além do alcance, falta de reconhecimento e ausência de autonomia.

Dessa forma, a prevenção do suicídio no trabalho é uma prática importante e que deve ser considerada pelas empregadoras. É necessário que algumas medidas sejam inseridas, principalmente, em um contexto no qual o home office tornou-se uma prática adotada por diversas empresas, contribuindo para prevenção do covid- 19 e distanciamento nas relações interpessoais.

As lideranças devem estar atentas aos funcionários, demonstrando que o ambiente de trabalho também é um lugar acolhedor e que valoriza todos os seus colaboradores. Abaixo veja alguns tópicos sobre como  possibilitar um ambiente de trabalho mais saudável:

  • Estimular o bem-estar do trabalhador, por meio de atividades recreativas;
  • Falar sobre a importância de acompanhamentos psicológicos;
  • Trazer palestras pautadas sobre suicídio e prevenção;
  • Campanhas preventivas;
  • Diminuir a competitividade entre a equipe;
  • Inserir dinâmicas que possibilitem uma melhor convivência;
  • Deixar o funcionário em uma situação confortável para que ele possa fazer apontamentos em relação a sua vivência no trabalho.

 

SUICÍDIO: COMO O MACHISMO INFLUENCIA?

Em uma sociedade machista e patriarcal a opressão ao feminino se propaga de diferentes formas, trazendo consequências graves como depressão e, no pior dos casos, o suicídio. De acordo com o Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde, mostra que em 2017, os suicídios chegaram a 32% das mortes por causas externas de mulheres em casa.

Fonte: https://www.causaoperaria.org.br/suicidio-entre-mulheres-aumentou-92-em-17-anos/

 

SUICÍDIO: A SAÚDE MENTAL DA POPULAÇÃO TRANS

Estima-se que 42% da população Trans já tentou suicídio. Recentemente, um relatório chamado “Transexualidades e Saúde Pública no Brasil”, do Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT e do Departamento de Antropologia e Arqueologia, revelou que 85,7% dos homens trans já pensaram em suicídio ou tentaram cometer o ato.

Fonte: https://antrabrasil.org/2018/06/29/precisamos-falar-sobre-o-suicidio-das-pessoas-trans/

 

Como procurar ajuda?

O CVV é uma das ONGs mais antigas do país, atuando no apoio emocional e na prevenção do suicídio pelo telefone 188, por chat e e-mail.